Peniche despediu-se de Mons. Manuel Bastos

João Polónia Fotografia de Autor joaopolonia.oeste@gmail.com
© João Polónia

Sacerdote destacou-se pela sua acção social e atenção aos pescadores e emigrantes

 

D. José Policarpo, Cardeal-Patriarca de Lisboa, presidiu este Domingo em Peinche às exéquias de Mons. Manuel Bastos, falecido no dia anterior aos 88 anos de idade.

Monsenhor Manuel Bastos Rodrigues de Sousa destacou-se pela sua acção social e pela sua atenção aos pescadores e aos emigrantes da terra. Foi responsável, até Setembro de 2008, pela paróquia de Peniche.

 

D. Tomás da Silva Nunes, Bispo Auxiliar de Lisboa sublinha a generosidade de Mons. Bastos e as obras que deixou.

 

“Foi um homem completamente desprendido de si próprio. De uma generosidade que a todos nós interpela”, refere à Renascença.

 

Entre a obra social, destaca-se a “Sopa dos Pobres”, nas décadas de 40 e 50.

Manuel Bastos Rodrigues de Sousa nasceu a 5 de Maio de 1922 em Mataduços, freguesia e Paróquia de Esgueira, concelho de Aveiro, tendo sido ordenado sacerdote em 6 de Julho de 1947.

 

Frequentou os Seminários de Santarém (1936-1938), Almada (1938-1941) e Olivais (1941-1947), tendo sido ordenado a 6 de Julho de 1947.

 

A 14 de Setembro desse ano foi como Pároco para Peniche, paróquia pelo qual foi responsável até Setembro de 2008.

 

Ao longo da sua vida sacerdotal foi capelão da Cadeia do Forte de Peniche e do Porto de Pesca local, - professor de EMRC, membro da Comissão Nacional de justiça e Paz e impulsionador do Stella Maris ( Apostolado do Mar), entre outras actividades.

 

“Ao longo dos sessenta e dois anos em que foi Pároco de Peniche marcou profundamente o panorama social da cidade, ultrapassando claramente as responsabilidades meramente religiosas, inerentes à função”, refere um comunicado do Gabinete de Apoio ao Presidente da Câmara de Peniche.

 

O município lembra, para além da referida “sopa dos pobres” a criação do Lar de Santa Maria (1956).

 

“Especialmente atento aos que mais necessitam (crianças, idosos, reclusos, doentes, etc.), dedicou também particular atenção aos homens do mar e seu meio ambiente e à diáspora penicheira espalhada por Portugal e pelo mundo”, refere ainda a nota.

 

Mons. Manuel Bastos era membro da Irmandade de São Pedro do Clero do Patriarcado de Lisboa.

 

 

Foto João Polónia

http://www.agencia.ecclesia.pt/cgi-bin/noticia.pl?id=80107

 

Comments: 0