Padre Pedro Tavares celebra missa nova em Peniche

26 de julho de 2017

“É bom estarmos aqui, reunidos à volta do altar do senhor. É com alegria que vejo hoje esta casa a transbordar, graças a Deus que assim é. Uma saudação a todos vós, que hoje quiseste vir à beira mar celebrar este senhor que dá a vida e se entrega por cada um de nós”. As palavras são do padre Pedro Tavares ao iniciar a sua primeira Eucaristia, na Igreja de S. Pedro, em Peniche, convidando os presentes a serem “cais de embarque que recebe a visita de Deus, e que leva tantos outros à sua presença”.

 

Segundo o jovem presbítero, Cristo torna-se num Deus “presente” e “próximo” no meio dos homens, através de um contacto “humilde e discreto” que continua a “interpelar e a transformar” a vida dos crentes. Um “verdadeiro tesouro” muitas vezes ao alcance de todos, mas que ainda “não possuímos, porque desistimos ou temos medo de viver de Deus, e só de Deus”, destacou à luz da liturgia dominical.

 

“O senhor é grande e digno de louvor, como cantávamos no início desta celebração. É verdadeiramente grande porque o senhor deixa o seu próprio caminho para tomar o nosso. Desce até nós para fazer-nos subir até si. Vem ao nosso encontro para dar na nossa vida um novo horizonte, um rumo decisivo”, reforçou.

 

Pedro Tavares revelou na homilia os pontos chave do seu discernimento vocacional, certificando que quem se encontra verdadeiramente com Deus “não fica no mesmo sítio”. Para o jovem existe um antes e um depois. Um depois que convoca a aprofundar esse encontro iniciado. “Não posso esquecer a pergunta de Jesus a Simão Pedro - Tu amas-me? - naquela noite de retiro ao contemplar o senhor na eucaristia. Ditou uma história imensa de encontros e desencontros, de aceitação e rejeição, de desejo, de medo, ao convite de Jesus que me fazia parecer: segue-me”, contou, desafiando os católicos a “não ficarem parados”, diante outras realidades “mais fáceis que ofuscam”.

 

Numa mensagem dirigida à juventude ali presente, acólitos, escuteiros, seminaristas, que participaram de forma numerosa na missa nova, o novo padre exortou a não duvidarem da presença de Deus nas suas vidas, mesmo quando “a certeza parece ser difícil ou até mesmo impossível” em cada uma das suas histórias, “mais ou menos magoadas e confiantes”. “Segue Cristo com entusiasmo e testemunha-o com alegria, consciente de que o senhor te dá o que mais precisas em cada tempo. Por isso Jesus nos oferece o seu jugo suave; não para nos cansar, entreter ou destacar, mas para cada um, como ele, se possa inclinar à vontade do pai”, sustentou, numa imagem alusiva à “experiência da cruz, a experiência de uma entrega total e desinteressada”.

 

“Estou certo de que ao longo do meu ministério sacerdotal muitas serão as provações do caminho. Nesta hora em que celebramos a Eucaristia, peço a Deus que na minha fragilidade me fortaleça com a humildade da obediência e do serviço. Para que o meu único projeto seja não fazer a minha vontade, não seguir as minhas ideias, mas deixar-me guiar por ele, sempre até ao fim”, concluiu com o repto “urgente” de os fiéis se tornarem “sempre pequenos”. “Sob a proteção de Maria e dos santos Francisco e Jacinta Marto, sejamos no mundo discípulos agradecidos, mansos e humildes de coração, atraídos por este Deus que a todos convoca”, acrescentou.

 

Nas nomeações tornadas públicas nos últimos dias, o cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, nomeou o padre Pedro Tavares, como vigário paroquial de Santíssimo Salvador do Bombarral, de Nossa Senhora da Purificação da Roliça e do Sagrado Coração de Jesus de Vale Covo, como primeira experiência pastoral.

 

João Polónia

 

(notícia João Polónia publicada no Jornal das Caldas de 26 de julho de 2017)

 

https://jornaldascaldas.com/Padre_Pedro_Tavares_celebra_missa_nova_em_Peniche