Ordenações de Diáconos: Patriarca aconselha cristãos a viverem a austeridade com o vigor da esperança

5 de Dezembro de 2010

© João Polónia
© João Polónia

O Cardeal-Patriarca de Lisboa considera que os seis jovens ordenados diáconos são um sinal de esperança. Em tempo de austeridade, D. José Policarpo aproveitou as Ordenações de Diáconos nos Jerónimos para sublinhar que “a nova evangelização há-de acontecer ao ritmo da esperança”.

 

“No momento presente da nossa sociedade, com a austeridade anunciada pelo Orçamento do Estado para 2011, é preciso que todos os cristãos vivam essa situação com o vigor da esperança e ajudem toda a sociedade a fazer da esperança a atitude de fundo na nossa reacção colectiva”. O Patriarca de Lisboa aproveitou a Ordenação de Diáconos, no Mosteiro dos Jerónimos, para deixar uma palavra sobre o tempo presente. Mesmo sublinhando não ser aquela a circunstância oportuna – “Não me compete a mim, nem é este o momento, pronunciar-me sobre a justeza das soluções adoptadas ou das causas que nos levaram a esta situação” – D. José Policarpo considera que “a escolha é agora da atitude” com que a sociedade vai enfrentar a situação. “Derrotados, revoltados, ou com a dignidade e a nobreza da esperança?”, questionou. “E esta [a esperança] será impossível sem a generosidade do amor e do espírito de serviço. Somos chamados a viver a austeridade exigida a cada um, como um serviço ao bem de todos, como um contributo pessoal para o bem-comum, que deve prevalecer sempre sobre a busca do bem pessoal de cada um”, realçou o Patriarca de Lisboa, acrescentando: “Se reagirmos na esperança, muitos perceberão que, para além dos sacrifícios que lhe foram impostos pela Lei, a sua generosidade se deve alargar na partilha com aqueles a quem a situação lançou em situação de pobreza. Que cada um esteja atento ao seu próximo, isto é, ao seu vizinho, não hesitando em partilhar. A esperança ajudar-nos-á a fazer desta circunstância um grande momento de solidariedade. Então contribuiremos para salvar, não apenas a economia, mas a verdadeira alma do Povo que queremos ser”.

 

“É urgente viver da esperança”


No Mosteiro dos Jerónimos, no passado Domingo, dia 28 de Novembro, D. José Policarpo conferiu a Ordem de Diácono a seis jovens (cinco diocesanos e um religioso), tendo dedicado a homilia ao tema da esperança. “O momento presente da Igreja e da nossa sociedade sugerem-nos a urgência da esperança. É urgente viver da esperança. A Igreja, nas luzes e sombras do seu presente, só se pode lançar na aventura de uma nova evangelização se esperar que o fogo do Espírito a transformará e a identificará, cada vez mais, com o próprio Cristo. A nossa sociedade vai entrar num período difícil, que todos conhecemos, que só não será destruidor se for vivido com a grandeza da esperança”.

 

O Patriarca de Lisboa propõe o aprofundamento da virtude teologal da esperança. “A esperança é uma virtude teologal, porque só o amor de Deus a pode suscitar no nosso coração, dando dimensão nova às esperanças humanas, à espontânea capacidade humana de confiar e esperar. A esperança brota da fé e alimenta-se da caridade”. Para D. José Policarpo, “quanto mais profunda for a relação de fé e amor de cada cristão e de toda a comunidade dos crentes a Jesus Cristo, mais a Igreja vive da esperança”. Por isso, acrescentou, “a nova evangelização há-de acontecer ao ritmo da esperança”.

 

 

fotos por João Polónia

 

Diogo Paiva Brandão

 

http://www.vozdaverdade.org/?cont_=ver2&id=1546&lang=pt

 

Comments: 0