Vigília de oração vicarial convida jovens a fomentar o perdão do acolhimento através da Evangelização

notícia João Polónia publicada na Gazeta das Caldas5000 de 17 de janeiro 2014

(Jovens da Vigararia Caldas/Peniche interpelados a fomentar o "perdão do acolhimento" diante do Santíssimo Sacramento | Foto e texto João Polónia)
(Jovens da Vigararia Caldas/Peniche interpelados a fomentar o "perdão do acolhimento" diante do Santíssimo Sacramento | Foto e texto João Polónia)

A Igreja Matriz de Nossa Senhora da Anunciação da Tornada, no concelho de Caldas da Rainha, acolheu uma vigília de oração organizada pela Juventude da Vigararia Caldas da Rainha-Peniche, no passado dia 3 de janeiro. A celebração presidida pelo coadjutor caldense padre Miguel Pereira apelou a quatro dezenas de jovens, animadores e alguns elementos da comunidade paroquial local, ao anúncio urgente do “amor de Deus” na vida quotidiana, através do perdão e da conversão, recebidos na graça do sacramento da Penitência.

 

“Às vezes parecemos bem fracos nas nossas ações, todos nós, mas a verdade é que existe no nosso coração a possibilidade de Deus nos querer, para anunciarmos o seu amor e a sua vida, e fazer com que a nossa vida seja para todos, o lugar do mistério de Deus”, manifestou o padre Miguel no início da sua homilia.

 

Os cristãos depois de viverem o Advento saborearam o tempo do Natal até 12 de janeiro, dia em que a Igreja Católica assinala a festa litúrgica do Batismo do Senhor. Embora estas festividades sejam ocasiões diferentes, o sacerdote considera que existe “uma grande continuidade entre os dois grandes momentos”, porque um prepara o outro e “prepara o nosso coração ao acolhimento”, pois “só” quando se concretiza deste modo é que a vida cristã se renova, capaz de “transformar os que estão à nossa volta”.

 

O padre Miguel Pereira reforçou as palavras do Papa Francisco, que nos primeiros meses do seu pontificado tem alertado com frequência nas suas mensagens, pedindo para que os crentes não se fechem em si mesmos, “mas sejam capazes de dizer ao mundo uma palavra que fale de Jesus”, particularmente “o perdão do acolhimento, que Ele quer fazer de cada um de nós”. Para o jovem presbítero natural de Atouguia da Baleia, o verdadeiro desejo de Deus para a humanidade trata-se de renovar a vida e o coração de todos, com a ambição de “fazer-nos novos”. Assim, hoje, os fiéis devem interceder ao Senhor, para que Ele “nos faça esse grande favor de vir ao nosso encontro, para nos tornarmos verdadeiramente felizes”, conscientes de que existe “alguém que nos ama, que cuida de nós, nos perdoa, abraça e nos torna fortes”, afirmou o sacerdote certo de que Deus não prometeu uma “vida fácil”.

 

Destacando a importância do sacramento do Batismo, o vigário paroquial da cidade partilhou o gesto dos pais e padrinhos quando se deslocam à paróquia para batizar os seus filhos, na primeira ação do Centro de Preparação para o Batismo (CPB), que acontece acompanhado por alguns casais. O pedido dos educadores repete-se: “eu gostava que Deus o protege-se”. Na resposta, o padre Miguel desfaz a “noção errada” da sociedade civil e explica que o pensamento cristão correto, não é pedir a Deus “que me livre das atribulações, mas que me faça santo no meio delas”. O exemplo manifestado aos jovens da Vigararia serviu como testemunho para a vida cristã diária, à semelhança dos santos, “que vêem seus rostos em água turva, porque estão agarrados a Jesus”. Terminando a sua intervenção, o sacerdote deixou um apelo à evangelização, salientando que é necessário que os cristãos estejam em “comunhão” com Jesus Cristo, mesmo na “fragilidade e na fraqueza, não como impecáveis, mas como alguém que reconhece que a única fonte da vida é Ele, capaz de iluminar o nosso coração”. 

 

O padre Paulo Pires, que concelebrou e administrou o sacramento da Penitência aos jovens durante a vigília de oração, deu à GAZETA DAS CALDAS uma Mensagem de Ano Novo dirigida aos caldenses e cristãos da cidade, inserida na quadra do tempo litúrgico do Natal. Segundo o responsável da Juventude da Vigararia de Caldas da Rainha/Peniche, ‘o verbo fez-se carne e habitou entre nós’, é o refrão mais ouvido durante o tempo do Natal e pretende ser “a boa nova” para os cristãos durante o novo ano de 2014.  

 

“Que nós saibamos viver sempre diante da consciência de que o verbo se fez carne e habitou entre nós, para ser um como nós, a fim de nos abrir de facto o caminho para o céu. Depois do verbo encarnado a nossa vida já tem sentido, tem um rumo e uma meta certa, e por isso já não vivemos perdidos à procura do sentido para a vida”, manifestou o presbítero ordenado pelo Cardeal D. José Policarpo, pela última vez enquanto Patriarca de Lisboa. 

 

O mote lançado também pelo novo coadjutor de Óbidos deixou o apelo cristão, para que “todos possam viver sempre na presença deste amor de Deus, tão grande, que vem ao nosso encontro, que não ficou a falar para nós dos céus, hoje, mas veio habitar no meio de nós”.  

 

 

João Polónia

 

(Gazeta das Caldas nº 5000 de 17 de janeiro de 2014)

(clique na imagem para ampliar)
(clique na imagem para ampliar)

MULTIMÉDIA: Vídeo/Reportagem João Polónia/Gazeta das Caldas

Free counter and web stats

 

Comente esta notícia:

Comments: 3
  • #3

    Pe. António Rego (Wednesday, 22 January 2014 18:44)

    Mais um êxito!
    Um Abraço

  • #2

    João Polónia (Wednesday, 22 January 2014 17:18)

    Obrigado amigo e paroquiano frei Márcio.
    Conto com a tua oração contínua, cada vez mais consagrada.
    Precisamos muito, seja na nossa vida comunitária de fé, como na paz para o mundo.
    Sei que és mais um dos jovens, que sem medo, dão sempre a cara por Cristo Ressuscitado.
    Fiquei triste por saber que ainda há jovens a esconder a cara (como se pode verificar numa das fotos que captei).
    Visito-te em breve no convento do Varatojo.
    Um forte abraço em Cristo

  • #1

    Frei Márcio Carreira (Wednesday, 22 January 2014 17:00)

    Grande Trabalho João.
    Muita coragem e perseverança!
    Bom Ano.