D. José Policarpo consagra pontificado do Papa Francisco a Nossa Senhora de Fátima

29 de maio de 2013

Na celebração de 13 de maio em Fátima, o Cardeal-Patriarca de Lisboa emérito, D. José Policarpo consagrou o pontificado do Papa Francisco à Virgem Maria, concretizando o pedido do mesmo. No Ano da Fé, a Peregrinação Internacional Aniversária dos 96 anos da primeira aparição de Nossa Senhora, uma das mais participadas dos últimos tempos, teve como tema ‘A Deus nada é impossível’ e foi presidida por D. Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, Brasil, que igualmente dedicou a Maria a Jornada Mundial da Juventude, deste ano, assim como, os jovens do mundo inteiro.

 

Na homilia, D. Orani João Tempesta chamou a atenção dos cristãos para a responsabilidade da fé como “ato de confiança”, a exemplo de S. Paulo, “confiantes em Deus, a suportar o sofrimento, as dificuldades, e assim tudo na vida nos servirá para progredir rumo à santidade, que é a vocação de todo o batizado: ‘Sede perfeitos, como é perfeito o vosso Pai Celeste”. Segundo o arcebispo do Rio de Janeiro, cada cristão “em estado de graça é morada da Santíssima Trindade, é já uma Jerusalém Celeste em miniatura, invisível, mas inteiramente real. “No dia em que numa cidade, num país, todos viverem na amizade de Deus, a Jerusalém Celeste terá começado dentro da realidade frágil humana: será o triunfo do Imaculado Coração de Maria, anunciado por Nossa Senhora aqui na Cova da Iria”, apelou o responsável à sociedade civil. No 47º Dia Mundial das Comunicações Sociais com o tema ‘Redes Sociais: portais de verdade e de fé - novos espaços de evangelização’ o prelado valorizou a autenticidade da mensagem de Fátima, “que deve ser difundida pelo mundo com vigor, coragem, fé aprofundada e com os olhos cheios de esperança conduzidos a viver na caridade”.

 

Para o presidente da celebração, a consagração do pontificado do Papa Francisco a Nossa Senhora revestiu-se também de grande importância para os cristãos presentes no Santuário, não só pelo sentimento incluído na consagração, “mas também por ver o especial carinho do Papa por Fátima”. “É um privilégio de Fátima que a todos nos alegra e conforta: a especial atenção e solicitude que os Papas dos últimos 50 anos têm demonstrado por este solo abençoado, transformando-se em peregrinos da Cova da Iria, para vir aqui pedir à Senhora do Rosário proteção para a Igreja e a paz para o mundo”, sublinhou.

 

D. José Policarpo na oração da consagração à Senhora de Fátima no final da celebração afirmou que “a humanidade contemporânea” necessita de sentir-se amada por Deus e pela Igreja, só assim, “vencerá a tentação da violência, do materialismo, do esquecimento de Deus, da perda do rumo que a conduzirá a um mundo novo, onde o amor reinará”. “Dai-lhe o dom do discernimento para saber identificar os caminhos da renovação da Igreja; dai-lhe a coragem para não hesitar em seguir os caminhos sugeridos pelo Espírito Santo; amparai-o nas horas duras de sofrimento, a vencer na caridade, as provações que a renovação da Igreja lhe trará”, referiu o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP).

 

“Ensinai a Igreja, de que sois membro e modelo, a ser, cada vez mais, um povo orante, em comunhão com o Santo Padre, o primeiro orante deste povo e também em comunhão silenciosa com o antigo Papa, sua Santidade Bento XVI, que escolheu o caminho do orante silencioso, desafiando a Igreja para os caminhos da oração”, frisou D. José Policarpo, um dos cardeais que participou na eleição de Francisco, recordando a visita dos três últimos Papas (Paulo VI, João Paulo II e Bento XVI) à Cova da Iria.

 

O presidente da CEP realçou que “só a cumplicidade silenciosa” entre a Virgem Maria e o Papa levará a sentir-se “atraído por esta peregrinação na certeza de que será acompanhado por milhões de crentes”. “Aqui, neste Altar do mundo, ele poderá abençoar a humanidade, fazer sentir ao mundo de hoje que Deus ama todos os homens e mulheres do nosso tempo, que a Igreja os ama e que vós, Mãe do redentor, os conduzis com ternura aos caminhos da salvação”, salientou. O gesto foi acentuado com uma salva de palmas dos peregrinos presentes na Cova da Iria.

 

 

D. Manuel Clemente sucede a D. José Policarpo como Patriarca de Lisboa  

 

O Papa Francisco nomeou D. Manuel Clemente como novo Patriarca de Lisboa. A nomeação foi tornada pública a 18 de maio, pela Sala de Imprensa da Santa Sé. D. Manuel Clemente, de 64 anos, natural de Torres Vedras, Bispo do Porto desde 2007, sucede a D. José Policarpo, tornando-se, assim, no 17º Patriarca de Lisboa, regressando à sua diocese de origem.

 

“De Lisboa trouxe eu para o Porto cinquenta e oito anos de vida convivida, como leigo e ministro ordenado, sob o pastoreio dos Cardeais Cerejeira, Ribeiro e Policarpo. De todos eles guardo larga e agradecida recordação, em especial do Senhor D. José Policarpo, de quem fui aluno e depois colaborador próximo no Seminário dos Olivais e no serviço episcopal, muito ganhando com a sua amizade, inteligência e conselho”, afirmou D. Manuel Clemente numa mensagem enviada aos diocesanos do Patriarcado de Lisboa.

 

O novo Patriarca, do Porto leva para Lisboa mais seis anos, “plenos de vida pastoral intensa nesta grande Igreja e região, quer no dia-a-dia das suas comunidades cristãs, quer no dinamismo cívico e cultural dos seus habitantes e instituições”, frisou com palavras “cheias de afeto” os contatos que manteve “por todas e cada uma das terras e populações que, de Lisboa a Alcobaça e do Ribatejo ao Atlântico, integram a Diocese de Lisboa. 

 

D. José Policarpo saudou o seu sucessor e mostrou-se disponível para ajudar D. Manuel Clemente “a continuar a ser um grande Pastor da Igreja”, disse em declarações ao jornal do Patriarcado de Lisboa, ‘Voz da Verdade’. Recordando que o seu descendente "não é desconhecido na diocese”, o Cardeal-Patriarca emérito diz ser um “dom de Deus ter um bispo que regressa a uma casa que conhece bem e todos o conhecem e estimam”. Após 15 anos à frente da diocese de Lisboa, o Cardeal que agora viu aceite o pedido de resignação enviado ao Papa Bento XVI, há dois anos atrás, confirmou ter gasto "toda a sua vida em dedicação à Diocese de Lisboa" e adianta que permanecerá até julho em funções, como administrador apostólico, deixando um apelo a todos os seus "queridos diocesanos". “Vivam isto na fé, acompanhem-me nesta disponibilidade de servir e amar em todas as circunstâncias”, pediu.

 

D. Manuel Clemente anunciou que tomará posse na Diocese de Lisboa como novo Patriarca no dia 7 de julho, após ter sido nomeado pelo Papa Francisco.

 

 

João Polónia/Jornal das Caldas

 

(Jornal das Caldas nº 1100 de 29 de maio de 2013)

 

http://www.jornaldascaldas.com/D_Jose_Policarpo_consagra_pontificado_do_
Papa_Francisco_a_Nossa_Senhora_de_Fatima

 

D. José Policarpo consagra pontificado do Papa Francisco a Nossa Senhora de Fátima
D. José Policarpo consagra pontificado do Papa Francisco a Nossa Senhora de Fátima
Benção dos Doentes
Benção dos Doentes
D. Manuel Clemente presente na celebração, a poucos dias de saber a nomeação do Santo Padre para novo Patriarca de Lisboa
D. Manuel Clemente presente na celebração, a poucos dias de saber a nomeação do Santo Padre para novo Patriarca de Lisboa

MULTIMÉDIA

Free counter and web stats

Comente esta notícia:

Comments: 0