Boavista celebra Missa de Ano Novo com mais de 50 anos

24 de janeiro de 2014

(Várias gerações da aldeia participaram na celebração no Dia Mundial da Paz | João Polónia)
(Várias gerações da aldeia participaram na celebração no Dia Mundial da Paz | João Polónia)

A comunidade de Boavista da paróquia da Roliça, concelho do Bombarral, reuniu-se uma vez mais, na sua capela da Sagrada Família, para celebrar três evocações de grande importância: a Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus, o Dia Mundial da Paz e o primeiro dia de 2014. A Eucaristia que acarreta uma tradição com mais de 50 anos, naquela localidade, foi presidida pelo pároco padre Sérgio Mendes, convidando os cristãos “a louvar a Deus pelo Seu amor” e a testemunhá-lo na concretização do plano divino de salvação para o mundo.

 

Segundo a população sénior da aldeia, a festividade era celebrada ao Dia de Reis, quando ainda era feriado católico em Portugal. Com a extinção da efeméride, a celebração passou a ser realizada no primeiro dia do ano, na solenidade litúrgica de Santa Maria, Mãe de Deus. 

 

O padre Sérgio, na sua homilia, chamou a atenção dos cristãos para a presença “de um Deus que se faz próximo e vem ao encontro de cada um de nós”, interpelando-os a reconhecer com humildade “a nossa fraqueza, para que com mais verdade tenhamos desejo e abertura para acolher o perdão e a misericórdia de Deus”.

 

“A imagem que às vezes temos de Deus é que ‘Deus é aquela luz ao fundo do túnel’, esta palavra que o Senhor nos dá hoje, diz que não, Deus não está ao fundo do túnel, Deus faz-se próximo de ti, da tua história, da tua vida; tu desejas no fundo ser feliz, Deus também e até mais do que tu mesmo”, manifestou o pároco desvalorizando as angústias, mágoas e atribulações.  

 

Santa Maria Mãe de Deus “é também mãe da Igreja”, que continua a “querer fazer aparecer no mundo o Filho de Deus, Jesus Cristo”, afirmou o responsável, apelando aos crentes, para que arrisquem em Jesus Cristo “sem medo”, alargando as certezas e seguranças “nos desafios que Ele proporcionar”. “Às vezes Deus permite uma doença, outras, permite o desemprego, permite também a alguém que espera um filho, finalmente o ter, e alguém que espera um emprego, finalmente ter o emprego; mas na surpresa dos acontecimentos, que este ano o Senhor permitirá na tua vida, possas ter um coração como muitos pastores, disponível para corresponder e aceitar a vontade de Deus”, concluiu o vigário adjunto da Vigararia da Lourinhã.

 

No final da celebração e da concretização do tradicional Beijo ao Menino Jesus, os cristãos junto do pároco reuniram-se em confraternização num lanche-convívio.

 

Também durante o primeiro dia do ano, D. Manuel Clemente celebrava pela primeira vez, enquanto Patriarca de Lisboa, a mesma solenidade e respetivo Dia Mundial da Paz, na igreja paroquial de Moscavide, em Lisboa, exortando a sociedade civil a ser uma escola de fraternidade e solidariedade, “concretizando um desígnio universal de salvação – de justiça e de paz entre pessoas, povos e culturas”. 

 

O responsável da Igreja Católica em Portugal salientou que é necessário não deixar “cair ninguém, por descuido ou omissão” e indicou a fraternidade como “fundamento e caminho para a paz”. 

 

“A gravidade duma globalização que, trazendo e possibilitando proximidades inéditas, nem sempre quer dizer vizinhança e fraternidade universais, exige-nos um compromisso reforçado, tanto pelos problemas a resolver como pelos meios de que hoje dispomos para tal”, manifestou D. Manuel Clemente na homilia do dia festivo. 

 

 

João Polónia/Notícias do Bombarral

 

(jornal Notícias do Bombarral nº 619 de 24 de janeiro de 2014)

MULTIMÉDIA: Vídeo/Reportagem João Polónia/Notícias do Bombarral

Free counter and web stats

 

Comente esta notícia:

Comments: 1
  • #1

    Pe. Sérgio Bruno (Saturday, 25 January 2014)

    Bom dia João
    Obrigado, a notícia está bem!
    Parabéns!
    abraço em Cristo,