Reflexos do VII Encontro Mundial das Famílias em Milão apresentado na Benedita

25 de julho de 2012

O Setor da Pastoral Familiar de Lisboa esteve no passado dia 8 na Benedita, a fim de apresentar a uma centena de cristãos, de várias localidades da Diocese de Lisboa, os aspetos principais do VII Encontro Mundial das Famílias, que ocorreu no início de junho em Milão.

 

O JORNAL das CALDAS falou com o casal responsável pelo Setor da Pastoral Familiar do Patriarcado de Lisboa, Maria da Conceição e o diácono José Paulo Romero, o qual fez um balanço enriquecedor do evento.

 

“Ao organizarmos este encontro na Benedita, tivemos como objetivo que cada um se possa associar ao que foi e pode continuar a ser o VII Encontro Mundial de Famílias”, referiu o casal salientando que, “quem não esteve em Milão junto ao Papa Bento XVI, está aqui para perceber o alcance de tão grande acontecimento”.

 

Os responsáveis pelo departamento da Pastoral Familiar da Diocese procuraram sublinhar a “dimensão internacional” do encontro de famílias. Segundo estes responsáveis, as famílias de Milão prontificaram-se a acolher e aderiram desde logo, abrindo as portas de suas casas, a cerca de um milhar de pessoas. “Para os cristãos tornou-se importante acolher as famílias e com elas aprender algumas virtudes familiares esquecidas deste Ocidente consumista, que agora se sente em crise”, revelou o diácono José Romero certificando que o desafio está “no ajudar as pessoas nas suas escolhas, mesmo sabendo que não é fácil”.

 

As relações familiares; a família - uma escola para aprender o significado do trabalho; redescobrir e ensinar aos jovens a gratuidade e a disciplina; como conciliar família e trabalho; a importância económica da família; os filhos melhoram as relações humanas e sociais; a família – uma casa com paredes de pedras vivas; e, a festa que se prepara e vive em família, foram alguns dos temas apresentados pelo casal, objeto dos trabalhos e participação empenhada de muitos em Milão.

 

O casal responsável quis ainda dar relevo à opção do Santo Padre, em não suavizar os constrangimentos à família, “o Papa Bento XVI assinalou que não há futuro para a humanidade sem a família constituída sobre o matrimónio entre um homem e uma mulher, chamada a ser Igreja Doméstica e santuário da vida”.

 

Segundo José Romero, o Papa Bento XVI apelou aos jovens para que “aprendam os valores que dão sentido à existência”, reforçando que “eles têm a necessidade de nascer e crescer nessa comunidade de vida e de amor, que Deus quis para o homem e para a mulher”.

 

“O Papa abordou temas complicados do nosso tempo como ‘a crise económica, a dificuldade de conciliar o tempo do trabalho com o da família, a difusão das separações e divórcios, assim como as interrogações existenciais que afetam adultos, crianças e jovens’”, explicou o diácono Romero, salientando ainda uma mensagem de esperança que o Santo Padre desafiou aos presentes em Milão: ’Que as famílias estejam juntas no Espírito Santo para descobrirem a alegria das suas vocações na Igreja e no mundo’.

 

O encontro da Benedita prosseguiu com o testemunho de um casal participante que deu evidencia à sua experiencia pessoal, transmitindo o quanto ficaram tocados pelo forte ambiente de fé, de amizade e de partilha que sentiram em Milão. “Sublinharam a especial característica do encontro que reuniu gente de várias raças e costumes, numa grande manifestação de fé e de alegria pelo chamamento do Papa”, disse o responsável da Pastoral Familiar do Patriarcado. Para o responsável da Diocese de Lisboa, o casal participante, Fátima e Luís Lopes, deu grande relevo “às mensagens e à festa da grande celebração eucarística com que se encerrou o Encontro, tendo por espaço o enorme Parque de Bresso, que reuniu perto de um milhão de pessoas”.

 

Como remate desta tarde de encontro de famílias na Benedita, o casal responsável pelo Sector da Pastoral Familiar de Lisboa abordou algumas pistas para trabalhos futuros, na consciência de uma renovada atitude de evangelização na família e com as famílias para o mundo. “Agora que estamos a preparar o Ano da Fé, há que envolver todos os membros da família, usando os materiais que o Patriarcado de Lisboa já está a disponibilizar, quer pelo núcleo de trabalho ‘Despertar da Fé’, quer pelo Departamento da Catequese”, concluiu o diácono José Paulo Romero.

 

Após este encontro promovido pelos responsáveis do Sector da Pastoral Familiar de Lisboa, seguiu-se no mesmo salão do Centro Pastoral da Benedita, uma homenagem ao cónego beneditense José Mendes Serrazina, com a presença do Cardeal Patriarca, D. José Policarpo e do presidente da Caritas Portuguesa, Eugénio da Fonseca.

 

Esta homenagem foi assinalada com o lançamento de um livro – edição especialmente preparada pela paróquia da Benedita e editado pela Caritas Portuguesa. “O cónego Serrazina - 'padrinho padre' como era tão frequentemente referido pelo povo – foi um homem pioneiro na pastoral social em Portugal”, disse o prior da paróquia de Nossa Senhora da Encarnação, padre Armindo Reis.

 

O Cardeal Patriarca enalteceu o cón. Serrazina, lembrando que os seus caminhos se cruzaram no Seminário de Santarém e mais tarde no Seminário dos Olivais, sucedendo-lhe como Reitor deste Seminário em 1971. “O cón. Serrazina tinha uma visão muito à frente do seu tempo, conseguindo lançar o Movimento Casais de Santa Maria que sublinhava a espiritualidade conjugal, mas envolvia a família num todo, como comunidade, como Igreja Doméstica”, manifestou D. José Policarpo, salientando ainda que “o Concílio Vaticano II veio a dar alento às suas intuições”.

 

Os familiares do cón. Serrazina ofereceram aos mais de 500 participantes nesta homenagem, um lanche convívio especialmente enriquecido pela doçaria demonstrativa do concelho de Alcobaça.

 

 

João Polónia/Jornal das Caldas

 

(Jornal das Caldas nº 1056 de 25 de julho de 2012)

 

Free counter and web stats

Comente esta notícia:

Comments: 0