GNR pede ajuda a padres para prevenir burlas a idosos

18 de julho de 2012

Os padres da Vigararia de Alcobaça-Nazaré receberam uma ação de formação da GNR sobre como precaverem as suas paróquias e fiéis de burlas e assaltos, sendo considerados "um parceiro útil" para fazer chegar, sobretudo à população mais idosa, uma série de recomendações e cuidados a ter.

 

"O intuito da GNR é que nós, párocos, ajudemos a divulgar medidas de prevenção de burlas. É sempre bom que quem tenha alguma influência sobre a população esteja informado, para assim poder também ajudar as pessoas", revelou o vigário de Alcobaça e Nazaré, e pároco da Benedita, Armindo Reis.

 

Segundo o vigário, "em encontros e mesmo no diálogo com as pessoas podemos passar algumas destas mensagens".

 

"É frequente que nos apareçam indivíduos com histórias a pedir ajuda para pessoas deficientes ou com a justificação de que estão desempregados. Andam de terra em terra com estas histórias bem montadas", contou.

 

O próprio Patriarcado alertou as paróquias para a situações que configuram eventuais burlas, como é o caso do aproveitamento de espaços religiosos para ações de venda a coberto de supostas iniciativas humanitárias.

 

"As paróquias são alvo dessas tentativas de burla quando nos contactam para cedermos os salões paroquiais para serem feitos rastreios de saúde quando na verdade o objetivo é fazer vendas de artigos por valores inflacionados através de um marketing agressivo", relatou Armindo Reis.

 

Para o padre Francisco Cosme, que desempenhou funções 21 anos na Benedita e que agora colabora com a vigararia, que abrange doze paróquias do concelho de Alcobaça e três da Nazaré, esta ação de sensibilização dos padres da paróquia por parte da GNR "é extraordinária e muito oportuna "."Tenho conhecimento de casos de idosos burlados e os padres têm um papel importante para evitar alguns deles", sublinhou.

 

Segundo o Destacamento da GNR das Caldas da Rainha, a maioria dos burlões faz-se passar por funcionários da Segurança Social ou de serviços de água, luz, correios e bancos, ou por pretensos amigos da família ou até mesmo por familiares afastados. "Inventam de tudo para entrarem nas casas e roubarem artigos ou para levar os idosos a dar-lhes dinheiro de forma ingénua".

 

 

Francisco Gomes/Jornal das Caldas

 

 

Comente esta notícia:

Comments: 0